dezembro 31, 2011

Feliz Ano Novo

Aparelhei o barco da ilusão
E reforcei a fé de marinheiro.
Era longe o meu sonho, e traiçoeiro
O mar…
(Só nos é concedida
Esta vida
Que temos;
E é nela que é preciso
Procurar
O velho paraíso
Que perdemos).
Prestes, larguei a vela
E disse adeus ao cais, à paz tolhida.
Desmedida,
A revolta imensidão
Transforma dia a dia a embarcação
Numa errante e alada sepultura…
Mas corto as ondas sem desanimar.
Em qualquer aventura,
O que importa é partir, não é chegar.


Que este ano que agora se vai iniciar seja uma fantástica viagem, que se navegue em mar calmo e que as tempestades sejam ultrapassadas com entusiasmo, com motivação e coragem.
Termos a capacidade de procurar cada vez mais horizontes e nunca perder a fé.
Como diz um amigo, as melhores viagens fazem-se com os amigos e é com eles que construimos os nossos sonhos, acrescento o incondicional amor da família.
Assim, sejamos os heróis do nosso mar.

Feliz 2012





dezembro 30, 2011

Parabéns


Uma vez por ano somos convidados para nos reunirmos em casa do João.
O tema da reunião é quase sempre o mesmo, como fazer boas curvas, viagens, motos, gajos que se baldam aos passeios aos pinguins, etc.
Aproveitamos para confraternizar à mesa e festejar o aniversário do anfitrião.
Os slides da viagem pelo Tibete fica para data incerta.

Parabéns João 

dezembro 29, 2011

deus veio ter comigo à biblioteca

 
deus veio ter comigo e perguntou-me:
Pá, tens música daquela calma, daquela do love?
Então faz-me um ficheiro dessas músicas...
 
 

dezembro 24, 2011

Feliz Natal


 

Feliz Natal em paz e com saúde.
Um natal tranquilo como a musica e a sorrir... sorrir precisa-se nestes tempos cinzentos!

dezembro 21, 2011

dezembro 15, 2011

Posto de Escuta


dezembro 07, 2011

8+ ligeiro Australia



O timoneiro em ação, simplesmente fantástico.
Great job.

Londres 2012


What have you done today to make you feel proud?
It's never too late to try 
What have you done today to make you feel proud? 
You could be so many people If you make that break for freedom
What have you done today to make you feel proud? 


dezembro 06, 2011

Treinador

Ser treinador: (Por Varley Teoldo da Costa)




É arte de ensinar o atleta e o grupo a superar seus próprios limites de performance;
É acreditar quando poucos confiam e desconfiar quando tudo parece caminhar em águas tranqüilas;
É antever a tempestade antes de esta atingir a tripulação;
É sonhar e ensinar os atletas a buscarem dias maravilhosos de sol, mesmo que as nuvens estejam extremamente carregadas no momento;
É estar sempre entre o céu e o inferno;
É aprender a calcular riscos e com eles conviver
É viver sempre entre a cruz e a espada;
É aprender a conviver com críticas e elogios, independente de serem justos ou não;
É ser aplaudido hoje e vaiado instantes depois;
É surpreender e ser surpreendido em situações que aparentam caminhar sob determinada lógica;
É conviver com situações de pressão dentro e fora das quadras;
É aprender a conciliar interesses (financeiros, pessoais) sem perder o foco principal de qualquer competição, que é vencer;
É dar e ser exemplo de conduta profissional e pessoal para o grupo que lidera;
É ser amigo, confidente, conselheiro e, em algumas situações, até mesmo exercer o papel de figura materna e paterna;
É talvez, uma das mais ingratas e prazerosas profissões;

novembro 21, 2011

novembro 10, 2011

A estrada siberiana


A estrada transiberiana não se rende. Antes, com troços inexistentes ou de pista quase intransponível, derrotava quase todos os que se atreviam. Hoje quase vencida pelo alcatrão que todos os dias avança mais umas centenas de metros, mudou de estratégia. E tenta deter-nos pelo sono, pelo cansaço da distância, pela sensação de isolamento perigoso, pelo perigo dos condutores hipnotizados pelos quilómetros repetidos. As distâncias por aqui medem-se em horas. Os quilómetros não contam. Não adianta andar depressa. Só o tempo nos permite chegar.

Roads Around

diferentes olhares, o mesmo Porto





 


novembro 03, 2011

novembro 02, 2011

Destinos



” Certa manhã, tive a sensação de que a estrada que passa aqui mesmo podia levar-me a qualquer lado do mundo.”

João Menezes 



outubro 27, 2011

outubro 16, 2011

Viajar

Viajar se não tem algo de inesperado marcado connosco, pelo menos tem sempre uma cama à nossa espera. Filomena Torgal

outubro 15, 2011

O QuÊ?

Palavras-chave das ultimas conversas:

Sarcopenia, osteoporose, testosterona, dopamina, serotonina, exercício, intensidade, sexo, anti-aging.
Com estas palavras têm-se conversas muito interessantes.

setembro 28, 2011

Remo de Mar




Época desportiva 2010/2011 termina com remo de mar.
Estava um pouco "flat" pelo que foi necessário recorrer aos barcos de remo de pista!

setembro 15, 2011

Amanhã à mesma hora

O Metro abarrotava gente e naquele instante em que as portas se abriram Maria perdeu-se no meio da multidão.
Pedro, que tinha conseguido coragem para lhe falar, perdeu-a de vista, nem os seus cabelos negros conseguiu encontrar entre a multidão.Ela nunca mais voltou, mas ele regressou todos os dias à mesma hora.

julho 06, 2011

junho 30, 2011

Catch and Release, By Rich Davis

Um artigo da Rowing News que pode ser lido aqui:
http://rowingnews.com/index.php?option=com_content&view=article&id=253%3Acatch-and-release&catid=42%3Aask-the-coach-a-race-plan

What is the difference between coaching the blade and coaching the body?
Some people say that if the body follows proper technique, the blade will enter the water and propel the boat forward. Others point out that coaches need only to watch the blade and teach their rowers how to make the blade do what it needs to do to propel the boat. Several coaches that I admire seem to pay little attention to what is happening inside of the boat. Their athletes could be leaning out of the boat with their heads down and apart, and so long as they catch, drive, and release correctly, all is forgiven. They coach from the blade in. I believe that approach works best, even though I often find myself coaching the body. The argument for coaching the blade is convincing. What the blade does in the water and on the recovery determines the speed and efficacy of the stroke, thus the movement of the boat. To coach the blade, the coach and coxswain must focus on how their rowers move the blade. If the blade is too high off the water, it's the coach's job to show them proper handle height on the recovery. In many ways, this approach is not all that different from coaching the body, but most athletes will understand the logic of beginning with the outboard first. I also like it because the focus is on what works, not what's pretty. 
What is the best way to teach the starting sequence?
Before you begin working on the start, your rowers should be trained to row well at the highest rate they will see in a race. The day before your first starts workout, go over the stroke sequence with them—demonstrate it on an erg in slow motion if you have to. On the water, find a stretch of flat water and practice it at low rates. Begin with the first stoke only. Ensure that the oars are parallel, the rowers are not holding their breath, the blades are fully buried on the drive, and that no one washes out. Washing out at the start will cause the boat to lurch, which will diminish the effectiveness of the following few strokes. After they have the first stroke down, start incorporating additional strokes, one at a time. Practice the starting strokes by building up the rate slowly, the way a steam engine gradually builds up speed. Then practice the addition of the step-down of the stroke. Finally, have them work on the transition from the high rates of the start to body pace. A boat will only reach race pace from a dead stop if your rowers pull harder on successive strokes. But don't practice the start if your rowers are tired; they need to be sharp and strong to do them effectively. 
How can we limit wakes from coaches' launches?
Many programs have added wakeless pontoon boats that help with this problem, but all boats leave wakes, some more than others. To prevent wakes from washing into a racing shell, coaches need to estimate when an oncoming shell will reach their wake and ensure that they have decreased their speed before that happens. Cutting the engine just before the shell comes alongside the launch is too late. The coach can estimate where the spreading wake will be as the launch and shell come toward each other. If there is lots of traffic on the water, slowing down in advance of the oncoming boats may put the coach behind his crews and unable to catch up. Another trick that I learned from Harry Parker on Boston's crowded Charles River is to head directly for the oncoming shell. Because wake goes off to the sides of the stern, heading bow to bow ensures that the wake is not in the oncoming path of the shell. Before he gets too close, Harry cuts his speed and moves out of the rowers' path. Coxswains need to know that you are steering at their boats to avoid waking them or they might panic. If coaches aren't minding their wakes, let them know.

Dia de Passeio

António Braz, Helder Colmonero, João Menezes e eu

junho 27, 2011

junho 10, 2011

Clube Fluvial Portuense - ENORME

Equipa do Fluvial a confirmar porque é uma das mehores equipas
nacionais e vence de forma fantástica a regata de shell 8 neste
nacional.
Estações do ano e pistas à parte, esta equipa foi brilhante, fez valer
cada treino, cada remada, cada barco diferente em que remou esta época
e tratou de fazer valer uma vontade inequivoca de vencer.
E claro que para alguém ganhar, alguém perdeu e para eles parabéns
também, foram adversários à altura da vitória do Fluvial.
Parabéns a todos por mais este excelente título.

junho 09, 2011

Abram Alas, Campeões em Pista


Porque somos o Fluvial, a vencer desde 1876, sintam-se honrados por fazerem parte deste grande clube.
Amanhã é uma excelente oportunidade de entrar para a história e amanhã é, sem dúvida, um bom dia para vencer.
Boas remadas, Boa Sorte!

maio 10, 2011

Médicos a prescrever exercício físico!


Só faltava serem os Médicos a prescrever exercício físico!

Confesso que fiquei chocado com o artigo no Jornal Expresso do Professor e colega de profissão Luís Sardinha, de 9 de Abril de 2011, com o título “Mexa-se mais: foi o médico que receitou”.

Numa altura em que o País está a importar Médicos para fazer face às exigências do Sistema Nacional de Saúde, e temos um excesso, tremendo, de profissionais de Desporto, só um “político deste gabarito” se poderia lembrar de implementar uma estratégia que vai dar mais trabalho e/ou responsabilidade aos Médicos, que já não têm tempo
para exercer a medicina convencional, e tirar, o pouco que existe, aos seus colegas de profissão. Porventura o colega já nem se lembra que se licenciou em Educação Física!

Quando li o título do artigo pensei que os políticos tiveram o bom senso de, mais uma vez, entenderem que o “Exercício é saúde” e iam voltar a baixar o IVA. Achei, no entanto, estranha a fotografia do Colega Luis Sardinha, de fato e gravata em cima de um tapete rolante. 
Eu sei que o fez no “seu laboratório” e porventura nunca tinha subido para nenhum, porque isso de fazer exercício físico tem os dias contados, pelos vistos, o que para si interessa é “Mexer”, nem que seja de fato e gravata em cima de um tapete rolante. Já agora: o colega tirou alguma pós-graduação em culinária? Mexer o quê? E a foto que vem no artigo é para gozar os profissionais de ginásio? Fala que a actividade física é saúde, vai retira-la da competência exclusiva dos profissionais do Desporto, e tem a lata de tirar
uma foto em cima de um tapete rolante? É vergonhoso o que pretende fazer aos seus colegas de profissão, porque como responsável do Instituto Nacional de Desporto (IDP) deve saber o fitness é, atualmente, a principal saída profissional! Caro colega e Político da nossa praça, espero que os profissionais de fitness tenham consciência do mal que lhes está a fazer e tomem as medidas que achem mais adequadas!

Num contexto de crise geral e dos estabelecimentos de fitness, em particular, que se estão a ver aflitos com a decisão, tremendamente injusta, do aumento do IVA de 6 para 23%, o programa que o colega Luís Sardinha vai importar para Portugal, não só não contempla os ginásios como permite que os médicos substituam os seus colegas de profissão na prescrição de exercício físico. Aqui, até o jornalista do Expresso refere “Surpresa, o ginásio fica de fora”.

Diz no artigo que o programa é importado dos Estados Unidos da América (EUA) onde está a ser aplicado desde 2007. Refira-se, a propósito, que a taxa de obesidade nos EUA de 2007 (3 estados com mais de 30% de obesos), triplicou em 2010 (9 estados com mais de 30% de obesos), pelos vistos o programa que vai importar já está a dar resultado!!! E a taxa de Diabéticos que continua a aumentar de forma exponencial?! Será efeito do referido
programa? Não queremos com isto dizer que o programa não tenha os seus méritos, agora, como toda a gente sabe, a aplicação transcultural de qualquer tipo de programa sem a respetiva apreciação e adaptação é normal que seja “para Inglês ver”, neste caso deve ser para os seus amigos americanos o verem!

O mais grave de tudo é que o seu discurso é igual ao dos médicos, que não fazem ideia do que é o Exercício físico e encontram nos strandards ou naquilo que ouvem dizer, formas de prescrição que dão para tudo e todos, tipo medicamento “genérico” que tudo cura! Mas se aos médicos, embora não tolerável pelo facto de não terem formação para tal, ainda se desculpa a prescrição com base no “MEXA-SE”, a si é incompreensível. 
O que o colega quer é pôr os Médicos a prescrever Atividade física e não Exercício físico. Para quem não sabe, para fazer Atividade física basta “mexer para aumentar o metabolismo de repouso”. Até comer, que mexe os músculos da face e dos braços é Atividade física. Para ser Exercício físico tem de se mexer de forma a melhorar a aptidão física. A maioria da
Atividade física, do tal “mexer” não serve para melhorar nada, sabe que andar a 4 km por hora não tem qualquer repercussão cardiovascular? Quer o artigo? Sabe que muita da atividade física, do tal MEXA-SE, quando feita de forma desregulada e sem suporte muscular suficiente é prejudicial? Veja o exemplo das doenças articulares
provocadas pelas tarefas domésticas, pelo andar em demasia, etc.

É óbvio que o colega conhece perfeitamente qual a importância do Exercício físico e de como a Atividade física pode apenas ser um bom complemento, porque sabe que uma das  características do Exercício físico é ser dose dependente, tal como o medicamento.
Por exemplo, penso que tem ideia que a Aspirina, o fármaco mais vendido e mais antigo da indústria farmacêutica, doseada até 250 mg, tem efeito anti tronbótico, a cerca de 500 mg tem efeito analgésico e a1000 mg tem também efeito anti inflamatório! Ou seja o efeito depende da quantidade ou dose! No exercício físico passa-se o mesmo, andar a 4 km/k, correr a 10 km/h ou a 15 km/h tem efeitos completamente diferentes. Como nos exercícios de força muscular a carga (em kg) determina o objetivo que se pretende.

Ou seja não chega mexer, isso apenas dá para o “leite creme” não ganhar grumos, é essencial fazer exercício físico.
Mais uma vez, à semelhança da aspirina, poderia dizer que ela é aconselhada para “dores, febres gripes e constipações” (mas não dá para todas as dores) e, como diz a bula do medicamento, se os sinais e sintomas persistirem, consulte o seu médico. Relativamente à Atividade física o bom senso, para quem o tem, poderia sugerir em algo idêntico. Se não tem objetivos, não tem qualquer risco cardiovascular, ou qualquer tipo de dor ou doença, MEXA-SE. Se tem objetivos ou pretende fazer algo pela sua Saúde, consulte um profissional de Exercício físico e Desporto.

Por acaso o colega conhece a pirâmide da actividade física? Eu sei que a conhece e também sabe que ela foi sugerida por profissionais de Saúde. Deu fé que sugere “treino de força muscular” pelo menos 2 vezes por semana? Sabe porquê? Para evitar a “SARCOPENIA”, que é uma doença provocada pela perda acentuada de massa muscular. Sim é uma doença só que, curiosamente, a maioria dos profissionais de saúde nunca ouviu falar, sabe porque? Não há medicamentos para a prevenir nem curar. Há alguns anos, pensava-se que era apenas apanágio de pessoas mais velhas mas, como sabe, actualmente inicia-se antes dos 30 anos em pessoas que não fazem uma solicitação
muscular suficiente e regular! Talvez convenha esclarecer as pessoas que a sarcopenia é um fator de risco para a osteoporose, e a única forma de a prevenir é através do treino de força muscular. O colega sabe perfeitamente que a marcha não a previne, porque esta doença ocorre nas fibras musculares responsáveis pela força muscular e não pela resistência muscular solicitada pela marcha!

O problema é que a necessidade de mostrar serviço, mais conhecido por “protagonismo”, fala mais alto!

Pois é, andamos há anos a debater-nos com a falta de bom senso da classe médica que prescreve exercício físico inadvertidamente, desde a natação para quem não sabe nadar, ou para quem tem osteoporose, ao estilo de “bruços” para quem tem o “peito em quilha” ou “costas” para todos os problemas de coluna, até ao andar para pessoas obesas e com graves dificuldade de locomoção! Agora vem o colega dar-lhes o “salvo conduto” para
continuarem a fazer algo que não sabem, nem estão preparados!

O colega sabe perfeitamente que mandar as pessoas “mexer” é algo idêntico a ir ao nutricionista e ele mandar “comer” ou ir ao médico e ele mandar “tomar pastilhas”. O colega devia era de se “MEXER” do cargo em que está, criar um IDM (Instituto Nacional do Mexe-te) e dar lugar a alguém que, pelo menos, olhe pelos interesses dos seus colegas de profissão.

É claro que o colega vai vestir a pele de Cordeiro e dizer que se trata de uma medida altruísta, para melhorara a qualidade de vida dos cidadãos, blá, blá, blá… Seja pelo menos consciente do mal que está a fazer a toda a gente: aos cidadãos porque os médicos não tem formação para fazer prescrição de exercício adequada, aos profissionais de Exercício e Desporto que já se debatem com falta de trabalho e com prescrições inconsistentes ou inconscientes dos médicos e à própria classe médica que lhes vai dar um “poder” sem bases de conhecimento. A minha esperança é que a classe médica tenha bom senso de não prescrever Exercício físico.

Repare que quando entrou para o IDP, disse que ia moralizar a sua profissão e legislou de forma a que apenas os licenciados em Educação física pudessem exercer a profissão nos centros de fitness. Agora vai trazer umas regras gerais, para os médicos receitarem Exercício físico? Sabe que nas farmácias também já se receita Exercício físico?
Isto é uma festa! Como não temos uma “Ordem” que nos defenda, estamos à mercê dos “espertos”. Só falta proibir os profissionais de Desporto de prescrever Exercício físico? Não será uma medida para o próximo governo?

Caro colega, quer protagonismo? Já pensou em trazer um franchising que permita aos profissionais de Desporto receitar uns medicamentos? Nem que seja dos lights, daqueles que nem fazem bem nem faz mal – tipo “MEXE-TE”.
A nossa profissão está em crise e os Médicos estão com trabalho em excesso. Para além disso, a bula de um medicamento ou o simpósium terapêutico, que é atualizado todos os anos, tem mais informação sobre cada medicamento do que qualquer linha de orientação que pretende trazer para os médicos mandarem os portugueses mexerem. Acho que esta seria uma medida política à medida da realidade só que, porventura, não estava à medida
da sua necessidade de protagonismo!

Quem diria que o colega é diretor do Instituto Nacional de Desporto! Resta-me dizer “o Desporto com amigos destes não precisa de ter inimigos”.

Rui Garganta (PhD)

Professor da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto


maio 01, 2011

Que bela tarde





Uma tarde em grande, do barco aos colegas/amigos, passando pelo rio, tudo estava perfeito.

Posto de Escuta


If I were a king
If I had everything, piece by piece
If I had you if i could give you your dreams
If I were giant-sized, on top of it all
Then tell me what in the world would I go on for
If I had it all

abril 26, 2011

Há treinos que acabam assim...



Barcos Rabelo de turismo e condições do rio mandam 8 ao fundo.
Uma cena caricata foi quando um barco de turismo chegou para atracar, queria que nós tirássemos o barco da frente para que eles pudessem fazer a manobra.
É chegada a altura de se fazer algo para travar cenas destas.
Os barcos Rabelo fazem do rio Douro uma pista de corridas, não respeitam os atletas, passam tangentes e ainda insultam para que nos encostemos à margem, acham-se donos do rio e assim não há paciência nem material que resista.
Os clubes da zona e em particular a ARDP, têm a obrigação de zelar pelos seus interesses e sobre a integridade física dos seus atletas enquanto estão em treino.
Vamos ver o que acontece.

Porto

PORTO with a SONY PMW-F3 from FilmesDaMente on Vimeo.

abril 06, 2011

Posto de Escuta


I will go in this way
And find my own way out
I won't tell you to stay
But I'm coming to much more
Me

março 28, 2011

Campeões 16 anos depois


Parabéns à equipa sénior do Fluvial pela brilhante vitória no Camp. Nacional de Inverno, em Montemor.
Dezasseis anos depois, o clube volta a conquistar uma vitória na prova rainha do remo.

março 03, 2011

Posto de Escuta


Thomas Feiner is a dark and brilliant pearl.
One track from The Opiated Revised was included on David Sylvian's 'The World Is Everything' tour book sampler cd.
These are the words he wrote about Feiner on samadhisound.com: "The dark, brooding, romantic nature of the material and, in particular, the emotional gravity of Thomas' voice, came as something of a surprise to me as it was quite out of keeping with my listening habits of the time but I couldn't help but be drawn into its widescreen, colour-drained, soundscapes".

fevereiro 18, 2011

fevereiro 02, 2011

What Makes the Great Ones Great? Part 1: Confidenc...

Vale a pena ler este artigo publicado no blogue Rowing Related.

Steve Redgrave

How can we define confidence? What separates it from arrogance? Where are the lines blurred between positive and negative personality traits? Arrogance, or cockiness, in an athlete and in the sporting world more generally, is most often viewed as a negative trait. However, the very qualities that can result in arrogance clearly help to make the great ones great at their craft.
RowingRelated: What Makes the Great Ones Great? Part 1: Confidenc...

25 anos do Vitinho


Também me mandava dormir a mim!

janeiro 28, 2011

Friday done

A Lâmpada de Aladino


Quis rir, mas às vezes os ditames do cérebro confundem-se, cruzam-se, provocam curto-circuito, alguma coisa falha na alquimia da vida, alguma coisa me agitou num espasmo antes de desatar a chorar. O bêbado respeitou a minha angústia e, quando calculou que eu já tinha fungado o suficiente, estendeu-me a sua garrafa de Korn.” 


Conversaram, lembraram-se de muitas coisas bonitas de recordar e esqueceram outras que mereciam ser esquecidas, porque a vida é assim. (…) O velho e o cão iam contentes, porque a vida é assim.

Viagem pela Patagónia, enquanto não se faço de moto,vou sonhando e viajando nas páginas deste livro de Luís Sepúlveda.

janeiro 27, 2011

Corno em 3D

O Louçã diz que o país está tão mau que as licenciadas se têm de prostituir para ganharem dinheiro...
Ao que o Socrates responde, que " o país está tão bom  que até as prostitutas são licenciadas".

depois disto e desta pérola americana....

Qualquer semelhança...

está na companheira de equipa!

janeiro 26, 2011

Tanque da nova geração

Treinador de campeões - Mike Spraklen



Spraklen Quick quotes:

There’s a very fine line the coach has to tread friendly enought to be a friend but distant enough to be a leader.

The Coaches’ contribution to a medal is about 10%. It’s the man who does the work it’s the man who produces the goods, it’s the man who wins the medal. And I honour and respect that situation.
The athletes’ approach, the athletes’ respect, the way they conduct themselves is really 100% and it’s one of the most remarkable experiences I’ve had in coaching crews.

janeiro 11, 2011

Momentos


Comovente sem dúvida.
E conta com a participação dum remador do Fluvial, Tomás Neves!

janeiro 09, 2011

Ganda bronca...

Afinal sempre é verdade, o CDUP vai mesmo ter um posto náutico novo, numa zona requalificada para a prática de desportos náuticos, com condições privilegiadas.
Confirmação pública pelo Dr Marco António na festa dos campeões, ontem no auditório de Gaia.
Os contentores vão ser transferidos para Oliveira do Douro!