julho 31, 2007

1ª Descida do Douro das Escolas de Remo'07



Descida do Douro 2007, é um evento Inserido no projecto de desenvolvimento das escolas de remo no Clube Fluvial Portuense e tem com o objectivo a promoção e divulgação da nossa modalidade, assim como proporcionar aos nossos atletas um final de época diferente e divertido.
Esta actividade, Douro 2007, contará este ano coma sua terceira edição e procurará atingir os objectivos a que a escola de remo do Clube Fluvial Portuense nos habituou, a conquista de “liberdade” e relaxamento através da actividade física e da superação individual e colectiva dos elementos que constituem esta escola.
Atingir este objectivos nos dias 03 a 05 de Agosto de 2007, tendo como cenário o magnífico leito do Rio Douro e a beleza paisagista dos seus encantos.
Assim, pretendemos introduzir algumas alterações de modo a optimizar ao máximo a actividade, não só na rentabilização do esforço físico dos participantes, através de uma distribuição cuidado do percurso ao longo das etapas, mas também nos momentos de descanso entre as etapas, com actividades em parceria com as autarquias locais.
Esperamos corresponder às expectativas de todos aqueles que ao longo da época desportiva nos acompanharam, com esperança de tornar esta descida memorável de modo a aumentar o “apetite” para a nova época de 2007/2008.
A descida do Rio Douro, terá início no posto náutico do Clube Fluvial Portuense, com a saída prevista para as 7,00horas da manha, a viagem será efectuada no autocarro do clube, que nos levará à cidade da Régua, com chegada prevista para as 9,00.
A chegada está prevista para as 20 horas de domingo depois de cumprir a última etapa de bicicleta.
A organização está a cargo do Pedro Guimarães e do Manuel António.


Texto de Pedro Guimarães / Manuel António

Mr Ali and Friends

Posted by Picasa

julho 27, 2007

Descida da Ria 2006



Fotografia do Manuel António

Private Teco Teco


A esta hora já o Rafael é dono no mínimo do trem de aterragem, da asa direita e de 4 lugares deste Beechcraft 1900.

The Simpsons: Bart Simpson's Chalkboard

Não se pode bater no "Pequenino"
Não se pode bater no "Pequenino"
Não se pode bater no "Pequenino"
Não se pode bater no "Pequenino"
Não se pode bater no "Pequenino"

julho 22, 2007

Foto de Família


Fotografia do Super Carlos

Na foto falta o Zé Carvalho que muito tem contribuido para que continuemos a receber medalhas, é ele que as manda fazer, mas ninguém sabe, só eu e ele!
Agora mais a sério, o Zé tem contribuido de forma decisiva na organização do clube e para o bem estar dos atletas e que prefere deixar o protagonismo aos remadores, devia haver mais dirigentes assim!

Fim de Época dos Velhinhos





Foi em festa que acabou a época dos Veteranos do Fluvial , foram atribuidas as medalhas aos participantes do Campeonato Nacional com a presença dum elemento do CDUP para dar um toque oficial à cerimónia, foi ele que tirou a foto de grupo.
O Super Carlos, o chefe dos barcos do CDUP juntou-se assim à festa onde entre outras coisas se fez apostas já para a próxima época.
Foi uma tarde animada e já se está a preparar a próxima festa.
Até para o ano, se Eu quiser!

julho 20, 2007

julho 10, 2007

Albano, o Sistema !

Não fui eu que inventei isto, se fosse havia de ser giro por isso vou só transcrever o artigo e qualquer semelhança com a realidade foi por muita sorte, mero acaso!

Artigo 32º -Descrição do Sistema Albano
1 - As pistas devem ser direitas e de largura igual em todo o seu comprimento; Esta largura não pode ser inferior a 12,50 metros, nem superior a 15 metros; A largura de 13,50 metros é a recomendada.
2 - No sentido longitudinal deve existir uma bóia todos os 10 metros ou, no máximo, todos os 12,50; Estas bóias devem ser deformáveis e o seu diâmetro não pode exceder os 15 centímetros; A sua cor, laranja luminoso, deve ser a mesma para todas as pistas.
3 - Uma bóia de cor diferente, por exemplo encarnada, assinala todos os 250 metros e recomenda-se que, nos primeiros 100 e nos últimos 250 metros, todas as bóias sejam desta mesma cor diferente.
4 - As distâncias, todos os 250 metros, devem estar indicadas em painéis bem visíveis fixados na margem com as dimensões de 2x1metros, ou em cubos flutuantes de uma dimensão de 1 metro cúbico.
5 - A chegada corresponde à distância de 2000 metros.
6 - Recomenda-se a instalação, todos os 500 metros, de um cabo ao meio do percurso e dependurar placas numeradas que indiquem o sentido das pistas.
7 - Todos os 500 metros, as instalações devem permitir tomar os tempos intermédios de todos os concorrentes.

Gostava de saber quem foi que inventou esta história, arranjam sempre coisas complicadas que não se conseguem fazer!
Diz que é uma espécie de artigo para aplicar numa certa espécie de regatas .

julho 08, 2007

Campeonato Nacional de Veteranos

Finda que está a época de remo para os veteranos apetece-me deixar sobre isso alguns comentários, vou apenas tentar enumerar alguns sentimentos que me ficaram deste encontro no Pocinho (Douro).
Então começo por enumerar alguns apontamentos que fiz :
- É muito longe para se ir remar;
- Não tem condições logísticas para se realizar uma regata ;
- Muito calor e falta de sombras;
- A federação apenas deu aos atletas duas garrafas de água de 33cl ( estavam 42 graus segundo me disseram, por mim até parecia mais);
Se querem levar gente a remo este é o pior local que se podiam lembrar.
Quero com isto dizer que existe outros locais melhores, muito melhores para se realizar este campeonato, durante anos se lamentou a falta de uma pista e agora que a temos( em fracas condições ) andamos a fazer quilómetros e quilómetros para fazer uma regata,para os clubes do Porto já é uma viagem cansativa que se dirá de quem vem do sul.
O local é muito mau, quem se quiser sentar só se for na gravilha, não haviam sombras nem que fosse para as crianças, o único local na pista que vendia água era a roulote da Carla que se deslocou lá para fazer o almoço ao Fluvial e ao Sport, muito pó no ar entre tantas outras coisas.
Ainda estou para perceber como é que a federação tem a estagiar num local destes a selecção nacional 3 semanas consecutivas, o pseudo centro de estágio é lamentável, estão longe de tudo.
Alguém sabe porque razão a federação tem a sua base de treinos neste local, quais as motivações que levaram à escolha deste local?
Como se pode ter atletas juniores a treinar num local assim?Imaginando que os séniores estejam mais traquejados nisto que é estar longe de casa concentrados é difícil, para os mais novos deve ser duro.
Eu avanço com a seguinte teoria, é da conspiração mas cá vai.
A federação tem uma selecção que não é composta pelos melhores atletas, o melhor resultado sénior dos últimos 2 anos nem sequer está na selecção nem o deixam estar.
Não estou a dizer que quem lá está não tenha valor, apenas penso que há melhores.
Quais são os critérios reais de escolha dos atletas?
São os mais rápidos na água?
São os mais rápidos no ergómetro?
São os mais bonitos?
São os que mais dizem amén com o sistema?
são os que não têm nada que fazer no momento e então sempre passam um bom bocado?
Acho que exagerei!Mas não devo estar longe!
Os resultados têm sido desastrosos mas continua-se a achar que estamos bem assim, pelo menos aqui sempre se escondem de olhares alheios.
Temos um centro de estágios com condições lamentáveis, mas pelo menos temos uma sala de musculação do outro mundo, só por isso já merecíamos andar mais, digo merecíamos porque com estas condições não há boa vontade que resista!
Estes atletas sabem que estão seleccionados até 2oo9, altura dos próximos testes de selecção, isto é no mínimo inclassificável, tantos atletas que teriam lugar nesta equipa nacional e estão de fora por razões que quanto a mim são desculpas de mau pagador desta equipa técnica.
Tanto haveria a dizer, o remo está pelas ruas da amargura mas é sempre bom ver o sorriso de certos dirigentes federativos quando estão a ser entrevistados.
Eu, que sou suspeito porque sou parcial, tenho clube a sou a favor dos meus amigos que ainda remam volto a dizer, vamos mas é remar para Espanha e fechamos de vez o remo em Portugal.
Agira que já libertei um pouco o "stress" volto ao inicio dizendo que este dia de regatas valeu pelo convívio entre remadores, rever amigos, rir-mos uns dos outros, medir as pregas, dizer mal do sistema, aplaudir os vencedores e dar umas remadas.
Por mim valeu por isso!
Como diz o João Menezes, como dar visibilidade a um desporto que se esconde, que não tem visibilidade e nada para oferecer?Todos sabem disto, menos quem devia saber.
Para acabar vou só dar uma ideia brilhante que me ocorreu, devia-mos transformar a federação numa agência de viagens,como já faze-mos viagens de lazer e de cariz social a Amesterdão e já levam os remadores a ver as vinhas do douro, podiam continuar na mesma linha e mudar de vez, pode ser que assim deixem de usar o dinheiro dos contribuintes para fazer este péssimo trabalho!
Já estou mais calminho, vou beber um chá!
abraços